Assinatura RSS

Erro Médico — É o horror, o horror!

Publicado em

Capa original da publicação sobre erro medico desenvolvida pelo SIMERS

Não, você nunca receberá a revista com a capa acima. Ela modificou-se. Da versão inicial até a que finalmente chegou a suas mãos, envolta num envelope pardo solicitando um ridículo sigilo (uma vez publicado, público é), sua capa e conteúdos foram atenuados e editados a exaustão — graças à intervenção de seu editor e da coordenadora de comunicação do SIMERS à época. A revista abaixo, esta sim, com certeza, deve lhe trazer alguma lembrança. Para muitos, não muito agradável.

Capa da publicação Erro Médico em sua versão final

 A estratégia do medo

A proposta original do presidente do Sindicato era criar um sentimento de medo e horror entre os médicos. Por intermédio da publicação, instituir um clima de paranoia a fim de fazer valer o serviço Pronto SIMERS, e a cobertura oferecida pela Assessoria Jurídica da entidade. Trazer dados (devidamente editados) sobre o crescente número de processos judiciais por alegado erro médico sempre funcionou para Argollo como uma estratégia para fidelizar associados, ou até mesmo reverter picos de desassociações. As publicações do SIMERS têm diversos exemplos para ilustrar isso.

Bolinhas não!

Anotações do presidente em anúncio previsto para a revista

Contrariados com o rumo da publicação, que não seria bem recebida pelos médicos, tanto o editor quanto a coordenadora de comunicação buscaram mudar a sua linha editorial. Argollo, no entanto, não cedeu. Em determinado momento, insatisfeito com o que considerava um conteúdo “light”, fez questão de ressaltar: queria uma revista sensacionalista, algo que intimidasse os médicos (acima, veja anotação feita por ele em um anúncio previsto para a primeira versão). O sujeito implicou com “as bolinhas” do leiaute de um anúncio, que acabou por não sair. Solicitou, então, uma nova capa, mais agressiva. Fez questão de deixar bem claro à coordenadora de comunicação (e levou isso ao extremo): queria a foto de um médico sendo preso e conduzido pelo cangote. Uma imagem que causasse comoção (veja abaixo). Trazemos também algumas páginas originais da 1ª versão.

Após ampliar a imagem, clique na seta de retorno à esquerda

Após ampliar a imagem, clique na seta de retorno à esquerda

Após ampliar a imagem, clique na seta de retorno à esquerda

Após ampliar a imagem, clique na seta de retorno à esquerda

Após ampliar a imagem, clique na seta de retorno à esquerda

Pegando mais leve

Próxima de seu fechamento, mais precisamente durante o feriado de Páscoa de 2011, a revista foi totalmente modificada, assumindo o conteúdo e a forma que ganhou as rotativas. Mais leve, menos sensacionalista, mas de qualquer forma inapropriada. Mesmo sem identificar nome e cidade, um caso citado na publicação criou transtornos ao colega envolvido. Ele igual se sentiu exposto e argumentou que sua imagem profissional corria sério risco de abalo.

Novas mudanças na capa, mas não seriam as últimas

E assim se azeita a máquina de manipulação de nosso presidente. Factoides, marketing pesado, política do medo, prestações de contas que não prestam contas, alterações no estatuto para dificultar o surgimento de oposição, etc. Quem diria que veríamos isso: a categoria médica refém do presidente de seu próprio sindicato.

Nossas propostas

Externamente: focar mais na discussão da prevenção e em ferramentas de minimização de danos (da prevenção ao tratamento). Estabelecer relacionamento com Judiciário e Promotoria, na busca pelo fortalecimento de uma Cultura Justa na abordagem do problema, alertando-os de que a maioria dos erros são problemas sistêmicos e não de responsabilidade individual predominante. Com isto, protegendo médicos e, principalmente, pacientes — cada vez mais prejudicados pela cortina de fumaça em torno do tema e da crescente judicialização improdutiva do setor Saúde.

Internamente: fortalecer o Departamento Jurídico, que sofreu recente sangria. Menos sensacionalismo. Mais capacidade de resolver problemas reais, quando não houver como evitá-los.

Anúncios

»

  1. iMAGINO que como eu a imensa maioria dos componentes dos diferentes conselhos jamais teve acesso a detalhes tão lamentáveis .Sempre tive a idéia que o Argollo era um criador de factóides ,um após outro ,conforme a necessidade ,baseado no seu feeling e nas orientações do guru contratado .Pessoalmente ,quando da divulgação dos processos contra médicos e das vantagens dos seguros a respeito chamou-me a atenção que isto ocorria no exato momento de grande proximidade com um grupo segurador que tentava montar um sistema previdenciario da massa médica associada .Hoje TENHO CERTEZA .

    Responder
  2. Pingback: Argollo quer “fazer” em 30 dias o que não fez em 15 anos | Renovação Médica

Queremos saber a sua opinião

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s