Assinatura RSS

Argollo firma Termo de Ajustamento de Conduta com o MPT

Publicado em

Se o SIMERS se compromete a tratar melhor seus colaboradores, é porque tratava mal.

Inicialmente, que fique claro: nosso foco primário não está concentrado nos colaboradores (por mais que seja imperativo tratá-los de forma adequada). Mas bons gestores necessitam atuação correta e assertiva na gestão dos seus, porque os colaboradores estão diretamente relacionados com o sucesso da organização, este sim nosso interesse primário.

Pois o SINDICATO MÉDICO DO RIO GRANDE DO SUL firmou TERMO DE AJUSTE DE CONDUTA, nos autos do Inquérito Civil n.º 001074.2011.04.000/2, perante o MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO, nos seguintes termos:

“DAS OBRIGAÇÕES ASSUMIDAS

O signatário, a partir da data da assinatura deste, em todas as suas atividades, atuais ou futuras, assume as seguintes obrigações:

CLÁUSULA 1.ª – Não submeter, não permitir ou tolerar que seus (suas) empregados (as) sejam submetidos (as) a qualquer constrangimento moral, humilhação, ofensa ou agressividade no trato pessoal, caracterizadores de assédio moral, assegurando tratamento compatível com a dignidade da pessoa humana no ambiente de trabalho.

CLÁUSULA 2.ª – Realizar cursos/palestras de capacitação e combate à prática de assédio moral no ambiente de trabalho, em duas oportunidades distintas no período de um ano, dos quais participem todos os trabalhadores em atividade, bem como os gestores do sindicato.

2.1. Os cursos devem ser ministrados por pessoas ou entidades qualificadas para tanto e especializadas na matéria, com carga horária mínima de quatro horas;

2.2. A qualificação dos palestrantes e o conteúdo a ser abordado nos cursos, com uma descrição sumária, devem ser aprovados previamente pelo Ministério Público do Trabalho;

2.3. Os cursos devem ser realizados durante o horário de trabalho, sem qualquer desconto nos salários ou compensação de horário;

2.4. Deverá ser comprovada ao Ministério Público do Trabalho, até 15 dias após cada evento, a efetiva participação dos trabalhadores, mediante a apresentação de listas de presença, devidamente assinadas pelos trabalhadores, com indicação da respectiva função de cada um;

2.5 A primeira palestra/curso deverá ser realizada até dezembro de 2012, e a segunda até julho/2013.

CLÁUSULA 3.ª – Abster-se de determinar aos seus empregados o comparecimento em manifestações/atos/eventos, promovidos ou não pelo sindicato, salvo quando necessário ao exercício da atividade laboral.

DAS MULTAS

CLÁUSULA 4.ª – O descumprimento do disposto em cada uma das Cláusulas deste Ajuste ensejará a aplicação de multa (astreinte) no valor de R$ 10.000,00 (dez mil reais), a cada verificação de situação irregular.

CLÁUSULA 5.ª – O valor correspondente à multa eventualmente incidente será atualizado, a partir desta data, pelos mesmos critérios utilizados para correção dos créditos trabalhistas perante a Justiça do Trabalho.

CLÁUSULA 6.ª – As multas serão reversíveis ao Fundo de Amparo ao Trabalhador – FAT – ou, a critério do Ministério Público do Trabalho, a outro Fundo gerido por Conselho Federal ou Estadual, em conformidade com os artigos 5o, parágrafo 6o, e 13 da Lei n.° 7.347/85 e artigos 876 e 877 da Consolidação das Leis do Trabalho, não sendo substitutiva das obrigações, que remanescem à aplicação da mesma.

CONDIÇÕES GERAIS

CLÁUSULA 7.ª – Este Termo de Compromisso consubstancia título executivo extrajudicial, na forma da legislação, valendo por tempo indeterminado e, em caso de descumprimento, será executado perante a Justiça do Trabalho, consoante artigo 5o, §6o da Lei no 7.347/85 e artigo 876 da Consolidação das Leis do Trabalho, sem prejuízo da possibilidade de cominação judicial de outras multas ou medidas coercitivas para cumprimento das obrigações fixadas.”

Em dezembro ocorreu a primeira das palestras de que trata a Cláusula 2.ª do TAC. No intento de melhorar sua imagem perante os funcionários, o próprio Argollo se fez presente como assistente ao evento. Com idêntico propósito, também “prestigiou” a festa anual de confraternização dos colaboradores — privilégio concedido apenas uma vez em 14 anos. Será que o presidente teme algo? Recebemos a informação que dois ex-colaboradores movem processo por assédio moral contra ele. Onde há fumaça, há fogo.

Caros colegas: O sucesso de um é o sucesso de todos. Cabe ao bom gestor saber ser duro quando necessário. Ser duro sempre, no entanto, pode ter outro significado… E para ser duro, é preciso saber agir dentro dos parâmetros da lei, da ética e da civilidade.

Nossas propostas:

– Auditoria imediata e saneamento de todos os passivos fiscais e trabalhistas atualmente existentes.

– Política de valorização dos funcionários do SIMERS: são eles que atendem o médico em seu dia a dia e o bom exemplo começa na própria entidade.

Anúncios

»

  1. Pingback: A verdade sobre os resultados da era Argollo — II « Renovação Médica

  2. Pingback: O orgulho de devolver a Democracia ao Simers | Renovação Médica

Queremos saber a sua opinião

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: