Assinatura RSS

Arquivo do mês: março 2013

Site do Simers “descobre” a eleição

Publicado em

Tela-site-simers-eleição

Por voltas das 11h da manhã do dia 14 de março de 2013, o site do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul publicou pela primeira vez, desde 25 de setembro de 2012 (data do edital de convocação), uma pequena notícia sobre o processo eleitoral que ocorre na entidade. Casualmente, no mesmo dia em que se encerra o prazo para o envio do voto pelo correio, e que transcorre a votação presencial na sede do Simers.

Neste ínterim, nenhuma informação sobre como o associado deveria votar. Nem sequer uma mísera linha esclarecendo aos médicos de como proceder, caso não tenham recebido a correspondência contendo a cédula de votação. Nada quanto a prazos, ou à necessidade obrigatória da cédula estar dentro de envelope lacrado e remetido por agência dos correios a fim de ter validade eleitoral.

A atitude de omitir até agora um dos mais importantes momentos para qualquer entidade sindical, revela muito mais do que falta de transparência. Demonstra a absoluta falta de respeito com a categoria médica. Isso definitivamente tem que mudar!

Anúncios

O orgulho de devolver a Democracia ao Simers

Publicado em

Na quinta-feira, 14 de março, tem fim o prazo para postagem dos votos pelo correio. Quem não o fez e deseja participar do pleito deve comparecer, também na referida data, à sede do Sindicato Médico (Rua Cel. Corte Real, 975, em Porto Alegre), das 8h às 18h, para votar presencialmente.

Chega ao fim o período eleitoral no Sindicato Médico do Rio Grande do Sul. E com ele, um sentimento de orgulho que a Chapa 2 — Renovação Médica não pode deixar de manifestar. Sim, estamos orgulhosos por representar uma parcela expressiva e crescente de médicos que deseja renovação, dignidade, transparência e ética em sua entidade sindical.

Desde o início desse processo, há cerca de noves meses, lutamos contra uma série de obstáculos de ordem política (estatuto e regimento eleitoral criados para impedir o surgimento de oposição), ética (tivemos dificuldade em compor a nominata, pois vários médicos declararam-se temerosos de represálias) e financeira (realizamos uma campanha com parcos recursos arrecadados entre os integrantes da chapa, enfrentando um concorrente que só em correspondências gastou aproximadamente 40 mil reais).

Esforços somados a fim de que categoria tivesse a oportunidade de escolher democraticamente seus dirigentes (fato ocorrido apenas uma vez nestes últimos 15 anos), assim como de conhecer um outro Sindicato, distante daquele estampado em capas de revistas e em caros apedidos. Acreditamos ter alcançado sucesso nos dois objetivos.

Apesar de todo o empenho em contrário, a Justiça acatou a nossa tese e determinou a realização da eleição. Observe o trecho abaixo, extraído da sentença proferida pelo Juiz do Trabalho, Edson Pecis Lerrer (leia a íntegra clicando aqui).

“Além disso, considero que as exigências estabelecidas tanto no Estatuto, quanto no Regimento Eleitoral do SIMERS, assim como os prazos previstos, inviabilizam um processo eleitoral democrático, tendo em vista ser praticamente impossível arregimentar, dentre os associados, o número de candidatos necessários, assim como providenciar a respectiva documentação, para a constituição de mais de uma chapa, mormente no período exíguo de doze dias (da publicação do edital até o término do prazo das inscrições), como verificado no caso em análise.”

Nenhum dos fatos que apresentamos em nosso blog Renovação Médica, atribuindo má-gestão, desperdício e uso privado dos recursos do Simers podem ser atribuídos a “forças ocultas” ou a uma grande conspiração arquitetada por um funcionário demitido. Todos estão baseados em elementos, tais como notas fiscais de fretamento de aeronaves para fins eleitorais (veja aqui), extratos de pagamentos de diárias no exterior em viagens sem representação comprovada (veja aqui), Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) firmado com o Ministério Público do Trabalho que obriga o cumprimento de um conjunto de exigências trabalhistas (veja aqui), entre outros alertas e denúncias documentadas. Quanto ao TAC, por exemplo, o MPT/RS ouviu grupo de funcionários e ex-funcionários, representantes da administração e analisou documentos do Departamento Pessoal do Simers. Outras irregularidades ainda estão sendo investigadas pelo órgão, como o não pagamento de sobreaviso para os jornalistas de plantão, que apresentamos recentemente (leia aqui).

Nosso trabalho rendeu debates, alertas e devolveu a Democracia ao Sindicato. Cabe aos médicos agora fazerem sua escolha com calma, sem medo. Independentemente do que a urnas apontarem, se o escrutínio transcorrer de forma segura e sem anormalidades, a Chapa 2 — Renovação Médica acolherá o seu resultado. O que não significa abandonarmos o papel de oposição vigilante e atuante para que mudanças ocorram no Simers, e ele torne-se verdadeiramente de todos — e não de uma só pessoa.

Obrigado por nos acompanhar nessa jornada. E a luta continua!

Dia 14 de março vote Chapa 2 — Renovação Médica, por uma representação digna, transparente e ética no Simers.

Conheça nossos integrantes: Sami El Jundi

Publicado em

Sami A. R. J. El Jundi (CRM/RS 23935) é médico, especialista em Clínica Médica com mestrado em Medicina Forense pela Universitat de Valencia e pós-graduação em Tratamento da Dor e Medicina Paliativa. Atua como professor da Faculdade de Direito da UFRGS, das pós-graduações em Toxicologia Forense da FEEVALE (RS) e Perícia Forense da FAG (PR), do Master en Medicina Forense da Universitat de Valencia (Espanha), além de ser o criador e coordenador do curso de especialização em Direito Médico da Escola Superior Verbo Jurídico (RS). Foi diretor do SIMERS e diretor da FENAM, tendo sido um dos responsáveis pela propositura e redação da PEC da Carreira de Estado para Médicos. Dedica-se à assistência técnica na defesa de médicos acusados por “erro médico”, nos âmbitos administrativo, cível e criminal. Afastou-se do sindicato em 2012 por não concordar com decisões arbitrárias do atual presidente.

Motorista do Simers usado para fins particulares

Publicado em

Utilização de aeronaves fretadas para deslocamentos em campanha eleitoral (leia aqui). Diárias para viagens internacionais com o propósito de participar (?) de congressos não identificados e não noticiados (leia aqui). Estas duas informações você já havia lido no Blog Renovação Médica. Mas e o emprego de motorista e veículo do Simers para fins particulares? Sim, isso também acontece na atual gestão do Sindicato Médico do RS. Transita na Justiça do Trabalho processo contra o Simers (acesse aqui e digite o n.º do processo 0000720-97.2011.5.04.0016) movido por ex-funcionário que durante quatro anos serviu como motorista exclusivo da vice-presidente, Maria Rita de Assis Brasil.

Na reclamatória, o ex-colaborador encontrou os caminhos para se ver ressarcido, todos legítimos. Pede revisão no valor das diárias por viagens — quando na realidade tinha de viajar pouco a serviço do Sindicato, já que a vice-presidente raramente se desloca ao interior do Estado (vide sua quase ausência nas páginas da revista Vox Medica, que explora o menor deslocamento possível). O motorista, entretanto, viajava ao litoral e à Serra levando familiares da vice-presidente, assim como realizando pequenos fretes de móveis e etc.

O reclamante solicita também horas extras típicas e de intervalos para descanso e alimentação, que nem sempre eram possíveis de usufruir. Esclarecimento: Maria Rita tem mais de um emprego e vai ao Sindicato em horários muito restritos, dificilmente antes das 18h. O turno do motorista, então, poderia ser ajustado para tanto a fim de evitar o pagamento de horas extras. Ocorre que ele, porém, era o responsável por levar e buscar a filha de sua chefe na escola, cursos, shopping e outros, além da própria médica em seus locais de trabalho. Tudo isso muitas vezes além de sua carga habitual de trabalho. Daí as horas extras.

Por fim, o ex-funcionário reivindica o ressarcimento de valores gastos com celular funcional abatidos de seu contracheque. Claro, o consumo era grande, pois precisava estar sempre em contato com a vice-presidente no intuito de acompanhar horários, locais de busca e recolhimento seu e dos familiares.

O desvio de função se não é requisitado, fica caracterizado pelo histórico de atuação do trabalhador em funções que extrapolam seu contrato laboral. E assim, mais um reclamatória engrossa o passivo trabalhista do Sindicato Médico, cuja soma caberá aos associados saldar. Você considera isso correto?

Nós apresentamos os fatos, você os avalia e cria seu próprio conceito de “a verdade faz bem à saúde”. A Chapa 2 — Renovação Médica tem feito isso desde que surgiu em julho de 2012, e com tal atitude causado o desconforto de muitos. Para estes, infelizmente, apenas uma afirmativa: acreditamos que a categoria médica tem o direito de conhecer o “outro lado” do Simers, e nós temos a obrigação de revelá-lo.

A eleição se encerra somente em 14 de março (último dia para a postagem do voto por correspondência e data para a votação presencial na sede do Simers).  Por um Sindicato digno, ético e transparente: vote Chapa 2 — Renovação Médica.

Dê um fim ao desrespeito de Argollo

Publicado em

Qual o limite do desrespeito de Argollo para com a categoria médica? As tentativas de impedir a eleição (leia aqui)? A posse mediante ata ilegal (leia aqui)? A ação para suspender a decisão judicial que determinou a realização do pleito (leia aqui)? Todas são medidas recentes, mas essa mentalidade antidemocrática e forma de agir prepotente não são de agora. Vem de longa data. Mas não vamos longe. Em passado recente, em março de 2012, Argollo convocou Assembleia de Prestação de Contas (dentro do modelo show de costume, com a pouca transparência de sempre — leia aqui) e apresentação de planos de trabalho para o período de 2012 a 2016 (veja edital abaixo).

Edital-PC-2012-Carimbo

Seu mandato, porém, se encerrou em dezembro de 2012. Hoje ele atua em mandato tampão até o resultado da eleição (dia 19 ou 20 de março). Como pôde, então, projetar metas prioritárias para uma gestão que nem sabia se estaria à frente?  Somente a categoria médica, mediante o voto, pode decidir quem comandará sua entidade. Mas Argollo, já no início do ano passado, desconsiderava tudo e todos e dava como favas contadas que novamente não haveria eleição e ele, ao seu estilo, permaneceria presidindo o Simers — que toma como se fosse o quintal de sua residência, no qual faz o que bem entende. Uma completa falta de respeito com os médicos gaúchos.

A Chapa 2 — Renovação Médica sempre teve como seus principais objetivos apresentar a proposta de fazer um Sindicato digno, ético e transparente; revelar um Simers conhecido por poucos (diferente daquele empurrado boca abaixo por quilos de revistas, folders, apedidos, correspondências, etc.), e lutar para que o associado pudesse escolher seus dirigentes, democraticamente — e isso significa dar voz aos médicos para refendar até mesmo quem está no poder. O direito ao voto, para nós, é muito valioso. Seguiremos até o último dia de campanha com essa missão, devolver a Democracia ao Simers.

A eleição está em curso, graças a luta da Chapa 2 — Renovação Médica,  e se encerra somente no dia 14 de março (último dia para a postagem do voto por correspondência e  data para a votação presencial).  Dê um basta na arrogância pretensiosa. Dê um fim ao continuísmo de poucos resultados. Vote Chapa 2 — Renovação Médica.

Conheça nossos integrantes: Luiz Alberto Grossi

Publicado em

Luiz Alberto Grossi (CRM/RS 8232) é médico formado na UFPEL, cirurgião geral e emergencista. Pertecente ao corpo clinico do Hospital Moinhos de Vento, Hospital Mãe de Deus, Hospital Ernesto Dornelles e Hospital Divina Providência. Foi preceptor da residência de Cirurgia do Hospital Petropólis. Socorrista da Unimed. Ex secretário-geral do SIMERS de diretorias anteriores, com marcada atuação no interior do Estado. Afastou-se  por não concordar com decisões arbitrárias do então, atual, presidente. Foi também presidente da Federação Médica Sul Brasileira de 2004 a 2005.

Votar na Chapa 2 é escolher a democracia

Publicado em

Enquanto os médicos enviam as cédulas pelo correio ou se preparam para votar presencialmente no próximo dia 14 de março, Argollo e a Chapa 1 continuam agindo nas sombras para suspender as eleições do SIMERS. Tudo porque a Chapa 2 – Renovação Médica cresce a olhos vistos e cada vez mais tem o apoio da categoria médica. Daí o medo que Argollo tem das urnas e por isso tenta mais uma vez impedir as eleições, demonstrando claramente sua vocação para o autoritarismo e o desespero para manter os seus privilégios e os dos seus seguidores.  

Porém, atenta as manobras golpistas da presidência do Sindicato Médico, na última terça-feira, 5 de março, a assessoria jurídica da Chapa 2 protocolou as contrarrazões ao recurso ordinário interposto pela chapa situacionista que visa a desconstituição da sentença que homologou a inscrição da chapa de oposição e determinou que ocorressem as eleições no SIMERS. O processo será julgado em até 60 dias, o que não impedirá a conclusão do pleito.

Porém, nesta sexta-feira, 8 de março,  poderá ser julgado o agravo regimental interposto por Argollo em nome do SIMERS diante da decisão da Justiça que indeferiu o pedido liminar para atribuir efeito suspensivo ao recurso ordinário mencionado acima e com isso suspender as eleições.

Aguardaremos os dois julgamentos aos recursos promovidos por Argollo otimistas de que a Justiça contemplará o espírito democrático e manterá as decisões anteriores. Sendo assim,  permaneceremos com força máxima nesta reta final do processo eleitoral que mudará o SIMERS com a vitória da Chapa 2.

Está na hora dos médicos mostrarem nas urnas que não se deixam enganar e que a democracia deve prevalecer na entidade que os representa. Se estão ocorrendo eleições hoje, isso se deve à batalha judicial e à determinação da oposição em fazer valer o legítimo desejo e direito da classe médica de escolher seus representantes pelo voto. Por isso, no dia 14vote Chapa 2 – Renovação Médica

%d blogueiros gostam disto: