Assinatura RSS

Arquivo da categoria: Representação

O orgulho de devolver a Democracia ao Simers

Publicado em

Na quinta-feira, 14 de março, tem fim o prazo para postagem dos votos pelo correio. Quem não o fez e deseja participar do pleito deve comparecer, também na referida data, à sede do Sindicato Médico (Rua Cel. Corte Real, 975, em Porto Alegre), das 8h às 18h, para votar presencialmente.

Chega ao fim o período eleitoral no Sindicato Médico do Rio Grande do Sul. E com ele, um sentimento de orgulho que a Chapa 2 — Renovação Médica não pode deixar de manifestar. Sim, estamos orgulhosos por representar uma parcela expressiva e crescente de médicos que deseja renovação, dignidade, transparência e ética em sua entidade sindical.

Desde o início desse processo, há cerca de noves meses, lutamos contra uma série de obstáculos de ordem política (estatuto e regimento eleitoral criados para impedir o surgimento de oposição), ética (tivemos dificuldade em compor a nominata, pois vários médicos declararam-se temerosos de represálias) e financeira (realizamos uma campanha com parcos recursos arrecadados entre os integrantes da chapa, enfrentando um concorrente que só em correspondências gastou aproximadamente 40 mil reais).

Esforços somados a fim de que categoria tivesse a oportunidade de escolher democraticamente seus dirigentes (fato ocorrido apenas uma vez nestes últimos 15 anos), assim como de conhecer um outro Sindicato, distante daquele estampado em capas de revistas e em caros apedidos. Acreditamos ter alcançado sucesso nos dois objetivos.

Apesar de todo o empenho em contrário, a Justiça acatou a nossa tese e determinou a realização da eleição. Observe o trecho abaixo, extraído da sentença proferida pelo Juiz do Trabalho, Edson Pecis Lerrer (leia a íntegra clicando aqui).

“Além disso, considero que as exigências estabelecidas tanto no Estatuto, quanto no Regimento Eleitoral do SIMERS, assim como os prazos previstos, inviabilizam um processo eleitoral democrático, tendo em vista ser praticamente impossível arregimentar, dentre os associados, o número de candidatos necessários, assim como providenciar a respectiva documentação, para a constituição de mais de uma chapa, mormente no período exíguo de doze dias (da publicação do edital até o término do prazo das inscrições), como verificado no caso em análise.”

Nenhum dos fatos que apresentamos em nosso blog Renovação Médica, atribuindo má-gestão, desperdício e uso privado dos recursos do Simers podem ser atribuídos a “forças ocultas” ou a uma grande conspiração arquitetada por um funcionário demitido. Todos estão baseados em elementos, tais como notas fiscais de fretamento de aeronaves para fins eleitorais (veja aqui), extratos de pagamentos de diárias no exterior em viagens sem representação comprovada (veja aqui), Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) firmado com o Ministério Público do Trabalho que obriga o cumprimento de um conjunto de exigências trabalhistas (veja aqui), entre outros alertas e denúncias documentadas. Quanto ao TAC, por exemplo, o MPT/RS ouviu grupo de funcionários e ex-funcionários, representantes da administração e analisou documentos do Departamento Pessoal do Simers. Outras irregularidades ainda estão sendo investigadas pelo órgão, como o não pagamento de sobreaviso para os jornalistas de plantão, que apresentamos recentemente (leia aqui).

Nosso trabalho rendeu debates, alertas e devolveu a Democracia ao Sindicato. Cabe aos médicos agora fazerem sua escolha com calma, sem medo. Independentemente do que a urnas apontarem, se o escrutínio transcorrer de forma segura e sem anormalidades, a Chapa 2 — Renovação Médica acolherá o seu resultado. O que não significa abandonarmos o papel de oposição vigilante e atuante para que mudanças ocorram no Simers, e ele torne-se verdadeiramente de todos — e não de uma só pessoa.

Obrigado por nos acompanhar nessa jornada. E a luta continua!

Dia 14 de março vote Chapa 2 — Renovação Médica, por uma representação digna, transparente e ética no Simers.

Anúncios

A isenção da ética

Publicado em

Pode o presidente de um Conselho Regional de Medicina integrar a chapa que concorre à eleição de um sindicato médico? A chapa Renovação Médica acredita que não. Temos o posicionamento  de que o órgão regulador de nossa categoria não deve participar em instância alguma de entidades médicas, até mesmo as associações médico-hospitalares. Aqueles que dirigem o Conselho necessitam de total isenção, e devem evitar posicionar-se por facções, chapas ou grupos, pois afinal representam todos os médicos do Estado. Como um Conselho ficaria perante os seus pares no caso de denúncias e investigações de quebra de decoro, atitudes antiéticas ou improbidade administrativa cometidas por integrantes de um sindicato médico, quando um de seus próprios dirigentes faz parte da nominata que está à frente da entidade sindical? Estaríamos diante de um claro conflito ético. Leia abaixo parte do texto (extraído do site do Cremers) que define as atribuições e o papel ético da autarquia.

“Assim, o Cremers é uma autarquia federal de direito público, não havendo previsão legal para a incorporação ou fusão com entidades de direito privado, tais como sindicatos e associações. Cabe ao Cremers defender a eticidade na medicina. É obrigação legal do Cremers proceder sindicância toda vez que houver denúncia formal contra médicos. Aplicar o Código de Ética Médica aos médicos com atitudes antiéticas é um poder-dever da Instituição. Toda a tentativa de não cumprir com esse dispositivo pode configurar crime de prevaricação, pois os conselheiros estão equiparados, perante a lei, a agentes públicos.

O Cremers, por ser uma instituição pública, só pode fazer estritamente o que a lei determina, enquanto as entidades privadas, como sindicatos e associações, podem fazer tudo o que a lei não proíbe.”

Esclarecendo aos que nos apoiam: a chapa Renovação Médica optou por não convidar nenhum integrante da diretoria do Cremers para compor sua nominata.

Nominata — Renovação Médica

Publicado em

Temos a satisfação e o orgulho de apresentar a nominata da chapa Renovação Médica, inscrita às eleições sindicais para a Diretoria, Conselho Fiscal e Conselho Consultivo do SIMERS — Sindicato Médico do Rio Grande do Sul, gestão 2013-2015. Para ter acesso a lista contendo o CRM e a cidade de cada representante, clique aqui.

DIRETORIA-GERAL
Nome
  Luiz Alberto Grossi
 Sami A. R. J. El Jundi
 Marcos Rovinski
 Antonio Carlos Luzzi Fortis
 Carlos Vieira de Castro
 Cláudio Vinícius Bublitz
 Eduardo Gehling Bertoldi
 Fabiano Marcio Nagel
 Fábio Fernandes Dantas Filho
 Geraldo Ayala Pereira
 Jairo Nathan Trombka
 José Pio Rodrigues Furtado
 Julio Henrique G. Ferreira
 Luiz Ari Zanette Anicet
 Luiz Felipe L. Araújo
 Nara Horta Barbosa
 Natan Katz
 Moisés Eli Magrisso
 Ricardo C. Casagrande Pacheco
 Robert Schmulerg
 Rochele de Amorim Gonçalves
 Rosa Maria de M. P. R. Machado
 Sérgio Roberto Lomando
CONSELHO FISCAL
 Betuza Kramer de Oliveira
 Deise Uebel
 Irio Ferreira Bicca
 José Carlos Corá
 Marcelo Denes Lucho
CONSELHO CONSULTIVO
 Adalberto Câmara Botelho
 Airton Galarça da Silva
 Alan Castoldi Medeiros
 Alfeu René Wedi Couto
 Amadeu Lourival B. Silveira Lima
 André Luiz Horta Barbosa
 Carlos Augusto Adamy
 Carlos Dionisio M. da Silva
 Carlos Roberto Felix
 Cezar Luiz Assoni
 Cezar Luiz Guindani
 Clarissa Oliveira de Oliveira
 Clewer Jacoby Schuler
 Clovis Roberto Nedel
 Eduardo Correa Costa
 Eduardo Dipp de Barros
 Elizabeth Heydrich Dornelles
 Elizeu Batista Garcia
 Érico Adalberto Linden
 Fernando Cafrune
 Florentino Vianna Dutra
 Guilherme Brauner Barcellos
 Guilherme L. de Oliveira Bicca
 Hamilton Piazer Jardim
 Helena Ritter de Abreu
 Igor Gorski Benedetto
 João Carlos da Silveira
 José Nowicki Mustafa
 José Cesar Boeira
 Juliano Gueno Petter
 Lauro Erny Borth
 Leonardo Viott
 Luiz Fernando C. Carvalho
 Mario Mansur Filho
 Nelson Lindner Dutra
 Nilo Antonio Santos de Souza
 Nilton Weide
 Orfelino Guimarães da Silveira
 Paulo da Cruz Barragan
 Paulo Roberto da Luz Dias
 Percy Roberto Schreck
 Renan Roque Onzi
 Roberto Azevedo
 Rogério Gottert Cardoso
 Rogério Miguel D. G. Zingano
 Romulo Ângelo de S. Panatieri
 Ricardo Pittas da Silva
 Rubilar Martins de Souza
 Thiago Lisboa

O custo da “alma lavada”

Publicado em
Jornal do Comércio 12/6/12

A condenação do presidente do SIMERS foi destaque da página Espaço Vital

Confesse: você se sentiu com a alma lavada quando assistiu à cena do presidente do seu Sindicato chamando o Procurador-geral de Justiça do Rio Grande do Sul de corrupto! E agora deve estar pensando que R$ 24.000 é uma mixaria por esse momento de “liberdade de opinião”, afinal, serão menos de R$ 2,00 por associado para pagar a indenização. Sim, porque ela será paga por você, mediante sua mensalidade ao SIMERS.

Pois, pense melhor: na próxima vez em que você ou seu colega estiverem na frente de um Promotor de Justiça, tentando convencê-lo de que você não é o culpado pela morte do paciente, mesmo que não possa provar isso, como você espera ser tratado?

Você sabia que, justamente nos últimos três anos, diversos médicos foram denunciados pelo Ministério Público do RS por “homicídio com dolo eventual” (o médico assumiu o risco de matar o paciente)? Pode ser mera coincidência. Pode ser que não.

Tratar autoridades e outros profissionais com respeito e consideração não é uma questão de coragem ou de covardia. É uma questão de educação e bom-senso, coisas pelas quais nós, médicos, costumávamos ser reconhecidos e valorizados.

Agora, pense de novo: você se sente realmente representado por esse tipo de liderança que agride autoridades em seu nome, sem medir as consequências? Você está disposto a pagar esse preço? Se estiver, continue votando no continuísmo. Senão, nos procure para construir uma alternativa…

%d blogueiros gostam disto: